Este Subaru Impreza pode tornar-se o mais caro de sempre

|AUTOCLUBE

Correu  no Rally de Portugal e andou nas mãos de um estreante Colin McRae, mas agora o chassis 93-005 deste Impreza almeja novas vitórias

1-impreza-fb

Subaru, Prodrive, Colin McRae, Ari Vatanen, Richard Burns. Eis um conjunto de nomes familiares para qualquer fã da história dos rallys e, para os mais especialistas nessa história, é certo e sabido que são nomes que confluem todos para um único carro: o Subaru Impreza com o chassis 93-004, que num leilão a realizar-se no final de outubro poderá conquistar o estatuto de Impreza mais caro de sempre. Este Impreza não só foi pilotado por aqueles três pilotos, como também foi o primeiro Subaru Impreza a marcar pontos no Campeonato do Mundo de Ralis (WRC), tendo sido alvo de um restauro.

Mais do que qualquer outro fabricante de automóveis, a Subaru construiu a sua imagem de bom desempenho em cima da sujidade e da gravilha do mundo dos rallys. Afinal, a tracção às quatro rodas é também uma imagem de marca da Subaru. Mas os seus carros não foram vencedores de imediato.

Em 1989, a Subaru contratou a Prodrive para preparar os seus carros e dirigir a equipa de rali Subaru. A primeira arma de eleição foi o Legacy e, embora tenha tido um sucesso moderado, não era um candidato ao título. Já os primeiros Impreza, saídos a partir de 1992, que eram mais leves e mais ágeis eram mais promissores. O Impreza foi posto à venda no Japão em Novembro e, seguindo as aspirações da empresa ao WRC, Subaru apelidou a versão de performance turbo por "WRX", abreviatura de "World Rally eXperimental".

Na segunda metade da temporada de 1993, no Rally dos Mil Lagos na Finlândia, a Prodrive estava pronta com um Impreza WRC completo, com as agora famosas cores azul e amarelo da marca de cigarros britânica 555. A Subaru trazia uma vitória de estreia na ronda anterior, na Nova Zelândia, com um jovem Colin McRae a pilotar o já bem testado Legacy RS.

McRae continuou ao volante do Legacy na Finândia, enquanto o Impreza, chassis #93-004, foi confiado ao piloto veterano e Campeão Mundial de 1981 Ari Vatanen. O finlândes trouxe para casa um segundo lugar na geral, atrás do Toyota Celica Turbo de Juha Kankkunen, o que não é nada mau para uma primeira vez.

Subaru terminou a temporada em terceiro lugar na tabela dos fabricantes, atrás da Toyota com o seu Celica Turbo e Ford com o seu Escort RS Cosworth, mas à frente da Mitsubishi com o seu Lancer Evo I e Galant VR-4. Na classificação dos pilotos, McRae foi quinto e Vatanen sétimo, enquanto o piloto da Toyota Kankkunen levou o seu quarto campeonato de pilotos.

Em 1994, a Subaru teve uma temporada ainda mais bem sucedida, correndo exclusivamente nos Impreza preparados pela Prodrive. Os carros azuis e amarelos ganharam três ralis, e a equipa ficou em segundo lugar na classificação dos fabricantes, apenas 11 pontos atrás da Toyota. O chassis 93-004, por outro lado, teve uma série de azares sem nada mais do que desistências. McRae conduziu-o no Rally de Portugal, mas desistiu na sequência de uma ruptura do tubo de direcção.

O mesmo carro também correu a etapa Indonésia do Campeonato da Ásia-Pacífico de Rali com Richard Burns a conduzir, mas teve novamente de desistir com falha mecânica. No Rally da Nova Zelândia, Burns retirou-se novamente, enquanto McRae ganhou o evento num carro idêntico.

Com base na época de 1994, a Subaru tomou impulso para ganhar três campeonatos consecutivos de fabricantes, de 1995 a 1997, com Colin McRae a tornar-se o primeiro escocês e o mais jovem campeão de pilotos do WRC de sempre, em 1995. Richard Burns, entretanto, finalmente ganhou o seu título WRC em 2001, conduzindo também um Impreza.

Quanto ao chassis 93-004, foi vendido ao piloto de rali neozelandês Possum Bourne, que trocou o motor e ganhou várias rondas do Campeonato Australiano de Rali, de 1996 a 1998. Um entusiasta do rali comprou-o então e mandou restaurá-lo em 2017-18 para o período das especificações do WRC. Conserva a carroçaria original de 1993.

Sendo o primeiro Impreza a marcar pontos no WRC, este carro é uma importante pedra de toque na história do Subaru. E, nos últimos anos, essa história tem-se revelado extremamente lucrativa em leilão. Em 2017, o carro de teste WRC de Colin McRae de 1996 foi vendido por mais de 273mil euros. Em Fevereiro passado, um modelo WRC guiado por Petter Solberg em 2007 foi vendido por 224 mil euros, e este mês de Maio um Impreza ex-Solberg e ex-McRae, vencedor do Rally Japão em 2004 foi vendido por 437 mil euros. Também esta Primavera foi vendido o primeiro Impreza 22B STi oferecido nos Estados Unidos, que valeu 273 mil euros.

Artcurial calcula que a proveniência de 93-004 pode fazer valer este modelo mais do que todos os outros: Com uma estimativa pré-venda de 450.000 a 650.000 euros, tem o potencial de se tornar o Subaru mais caro vendido em leilão. Eis o que se vai descobrir em Paris a 24 de Outubro.

scroll up