Há 50 anos o mundo entrava em Countach com a Lamborghini

|AUTOCLUBE

Modelo revolucionário que agitou os anos 70 do mundo automóvel, viria a marcar um estilo vincado para a casa de Sant'Agata Bolognese. 

lamborghini-countach

O Lamborghini Countach celebra este ano o seu 50º aniversário, numa carreira que acabou em 1990, mas deixou fortes memórias nos apreciadores dos supercarros. Um carro que primeiro iria chamar-se LP500, mas que depois ficou conhecido por Countach por causa da reação em dialeto de Piemonte, Cuntacc, uma expressão local de espanto.

A marca do Touro Enraivecido faz as devidas honras a um carro que agitou os anos de 1970 e evoca agora o seu legado estilístico dando a palavra a Marcello Gandini, o homem que criou a forma futurística do Countach, que ainda hoje define os Lamborghini modernos.

1971 Lamborghini Countach LP 500 - O ‘carro da ideia’

Ferruccio Lamborghini queria uma máquina revolucionária para continuar o legado do Miura e, em 1970, pressionou a sua equipe para esse objetivo. O sucessor do Miura teria de ser mais rápido e mais avançado em tecnologia.

Paolo Stanzani, o mítico engenheiro e designer da Lamborghini, teve de inventar soluções técnicas para o novo modelo, muito por causa do novo posicionamento do motor V12, o que levou depois Marcello Gandini, chefe do departamento de estilo da Carrozzeria Bertone, a optar pelas portas de tesoura para melhorar a entrada e saída, um pormenor que se tornou na principal característica de todos os veículos de 12 cilindros feitos em Sant'Agata Bolognese. Batizado de LP 500, o protótipofoi mostrado sob os holofotes no Salão Automóvel de Genebra de 1971.

1973 Lamborghini Countach LP 400

Mesmo tendo sido um sucesso instantâneo, o Countach estava longe de estar pronto. Assim, a fase de desenvolvimento e testes começou, durante a qual Bob Wallace passou cerca de dois anos a puxar pelo protótipo e fazendo os ajustes mais finos de forma a permitir a sua produção.

Os testes de estrada revelaram que o “powertrain” de 5 litros era "muito imaturo e delicado" para esse tipo de utilização, decidindo-se então por um bloco de 4 litros, com seis carburadores Weber de corpo duplo, fazendo 375 cv às 8.000 rpm e aumentando para quase 300 km/h de velocidade máxima.

O carro também apresentava uma suspensão avançada, com amortecedores hidráulicos e barra estabilizadora na frente, e amortecedores ajustáveis para cada roda e outra barra estabilizadora no eixo traseiro. Os travões eram autoventilados e protegidos por um novo tipo de pinça, aproveitando o “know-how” desportivo da marca.

No Salão Automóvel de Genebra de 1973, o carro nº 1120001, um protótipo, saudou o público, com uma estrutura tubular e corpo de alumínio pintado de vermelho. O veículo foi então repintado de verde médio para os eventos de Frankfurt, Paris e Earls Court London, e vendido para na Suíça. No início dos anos 2000, a Lamborghini recomprou-o e agora está em exibição no Museu Lamborghini. Apenas foram construídas 152 unidades do Countach LP 400 até 1977.

1978 Lamborghini Countach LP 400 S

A partir de 1978, o LP 400 foi para a reforma e substituído pelo LP 400 S. Esta versão tinha pára-lamas estendidos para abrigar os novos pneus Pirelli P7 205/50 dianteiros e 345/35 traseiros. Ele também veio com um avental dianteiro e asa traseira opcional para maior capacidade em pista, com uma produção limitada a 235 carros.

1982 Lamborghini Countach LP 5000 S

Apresentado no Salão Automóvel de Genebra de 1982, o Countach LP 5000 S veio com um interior atualizado e um novo motor, com uma cilindrada de quase 5 litros que produziu 375 cv a 7.000 rpm. Manteve os carburadores, embora depois, ao ser comercializado no outro lado do Oceano Atlântico, algumas unidades fossem equipadas com injeção eletrônica da Bosch.

A produção terminou depois de 323 unidades, em 1985, quando o LP 5000 Quattrovalvole foi mostrado ao mundo em Genebra. Este foi o primeiro modelo importado oficialmente para os Estados Unidos.

1985 Lamborghini Countach LP 5000 Quattrovalvole - o primeiro aprovado nos EUA

Ostentando impressionantes 455 cv a 7.000 rpm, o Countach Quattrovalvole tinha um motor de 5,2 litros, com quatro válvulas por cilindro (daí o nome) e novos carburadores. As unidades vendidos nos EUA iam já com injeção eletrônica.

O carro tinha uma faixa dianteira 4,4 mm mais larga, novo capot do motor e saias laterais diferentes, enquanto o modelo americano tinha repetidores laterais e pára-choque dianteiro maior.

O Quattrovalvole foi o primeiro Countach oficialmente aprovado para o mercado dos Estados Unidos, mas alguns deles chegaram lá antes. Até 1988, quando a montagem foi encerrada, foram feitos 631 exemplares.

25º aniversário do Lamborghini Countach de 1988

Mais maduro do que nunca, a edição para celebrar o 25º aniversário do Countach foi a última evolução do projeto. Fez sua estreia pública no Salão Automóvel de Paris de 1988 para comemorar o 25º aniversário da Lamborghini, com atualizações visuais significativas e melhorias mecânicas mínimas.

Esta versão teve um chassis ajustado para a implementação dos novos pneus Pirelli P Zero, refrigeração do motor aprimorada, bancos mais confortáveis com menos amortecimento e ajuste elétrico, e vidros elétricos. Horacio Pagani (sim, o sr. Pagani responsável pela marca de supercarros com o mesmo nome) reviu o styling, deixando-o um pouco mais redondo.

Os exemplares do 25º aniversário do Countach vendidos nos Estados Unidos foram equipados exclusivamente com injeção eletrônica, enquanto o resto do mundo os recebeu com carburadores.

O Countach final deixou a linha de montagem em 4 de julho de 1990, nas especificações europeias, com acabamento em Argento Metallizzato sobre um interior de couro cinza. Este carro, que foi o 658º da série do 25º Aniversário, foi mantido pela Lambo e agora pode ser visto no Museu Lamborghini.

No total, a Lamborghini fez 1.999 unidades do Countach, excluindo o primeiro LP 400. Sua história de sucesso foi continuada pelo Diablo, de 1990 a 2001, e depois pelo Murcielago, que foi mantido em produção até 2010, quando o Aventador foi introduzido.

scroll up