Verstappen vence em Imola

|AUTOCLUBE

Holandês da Red Bull foi quem melhor lidou com contratempos do Grande Prémio de Emília Romana e superou Lewis Hamilton.

Verstapen

O holandês Max Verstappen (Red Bull) venceu hoje o Grande Prémio Emilia Romagna de Fórmula 1, segunda prova da temporada, batendo o britânico Lewis Hamilton (Mercedes) numa corrida acidentada, que chegou a estar interrompida.

Verstappen deixou o campeão em título a 22 segundos, com o britânico Lando Norris (McLaren) em terceiro, a 23,702 segundos, depois de ter chegado à liderança na sequência de um bom arranque (a partir do terceiro lugar), ganhando uma posição ao mexicano Sérgio Perez (Red Bull) ainda na reta e o comando a Hamilton na primeira sequência de curvas, numa manobra ‘musculada', no ‘braço de ferro’ com o piloto da Mercedes, que danificou a asa dianteira do seu monolugar.

A chuva que se abateu antes do arranque no circuito de Imola levou a que praticamente todo o pelotão optasse por pneus intermédios, mas o canadiano Nicholas Latifi (Williams) acabou mesmo contra o muro do circuito.

O líder aguentou 27 voltas antes de mudar para os pneus ‘slick', de piso seco.

O dia poderia ter sido dramático para o campeão Lewis Hamilton que, numa manobra com o compatriota George Russell (Williams), acabou na escapatória e embater no muro do circuito, partindo a asa dianteira.

Hamilton conseguiu regressar em marcha-atrás à pista, mas perdeu uma volta para o líder enquanto chegou às ‘boxes’.

Contudo, George Russel voltou a estar envolvido em outro incidente, com o outro Mercedes, do finlandês Valtteri Bottas, que obrigou a uma paragem da corrida e possibilitou a Hamilton recuperar a volta de atraso.

O acidente de Russell e Bottas aconteceu na 31.ª de 63 voltas, quando o piloto da Williams tentou ultrapassar o finlandês, que seguia em nono.

Bottas tentou defender-se, Russell pareceu ter-se assustado e acabou por pisar a relva do circuito, entrando em pião e colidindo com o Mercedes de Bottas. "A culpa foi claramente dele", sublinhou Bottas no final, enquanto Russell acusava Bottas do contrário.

"Temos um acordo de cavalheiros entre os pilotos para não haver mudanças de direção quando o carro de trás vem com DRS. Ele não teria feito isso a outro piloto", destacou o britânico, que tem contrato com a Mercedes e é apontado a uma vaga na equipa campeã do mundo na próxima temporada.

A corrida foi retomada na volta 35 atrás do ‘safety car', com Hamilton na nona posição e com Verstappen a quase deitar tudo a perder ao ir à relva. O holandês conseguiu segurar a liderança, conquistando a 11.ª vitória da carreira, com 22 segundos de vantagem sobre Hamilton, que fez uma ponta final impressionante.

Com estes resultados, Hamilton conservou a liderança do Mundial, com 44 pontos, mais um do que Max Verstappen, graças ao facto de ter feito a volta mais rápida da corrida.

scroll up