CML baseia-se em números errados para encerrar trânsito na Baixa.

A apresentação do plano de mobilidade da baixa lisboeta feita ontem pelo presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, e pelo vereador Manuel Salgado não acrescentou nenhuma novidade, expôs as fraquezas deste plano e revelou-se demagoga.

 

  • Nos mapas apresentados pela dupla camarária não se consegue aceder à colina do Castelo a não ser pelo Rossio e Martim Moniz e nada é dito como se acede a este colina para quem vem do lado do rio. É claro que é possível, só que isso obriga a voltas pelo Chiado e Rua da Madalena, que obviamente não interessa mostrar.
  • Também foi referido que o serviço de transportes públicos vai melhorar (mais paragens e mais velocidade) mas na prática ainda os afastam mais da frente edificada onde estão os utentes.
  • Para a CML a segurança dos peões vai aumentar com o alargamento dos passeios em algumas ruas, mas esqueceram-se de mencionar que os passeios da rua da Alfândega vão ser reduzidos em 1 metro…a não ser que também aí esteja planeado a supressão da circulação automóvel.
  • O número de 5.500 veículos que a CML afirma circularem no Terreiro do Paço em hora de ponta é fantasioso. A Baixa só é atravessada por 2.700 veículos em ambos os sentidos, o que corresponde à soma dos veículos que passam nas Ruas do Ouro, Prata, Madalena e Fanqueiros. Se somarmos os que passam na Praça do Comércio junto ao rio (3.700 em ambos os sentidos) obteremos 6.400, mas estes últimos não são tidos em conta pois a proposta da CML permite que eles continuem a circular nessa zona. O valor de 2.700 veículos é o máximo que foi contado desde 2002 a 2008, independentemente da hora de ponta considerada.
  • Na ponte Vasco da Gama não passam 5.500 carros como a CML fez crer quando comparou o número de veículos que circulam nesta ponte com os que passam no Terreiro do Paço. De acordo com as últimas contagens disponíveis - apresentadas no âmbito dos estudos da ponte proposta para Chelas/Barreiro -, esse valor andará na ordem dos 4500 veículos, nos dois sentidos da ponte na hora mais carregada. Isto é, a CML distorce os dados estatísticos para induzir as pessoas em erro: aumenta os valores do tráfego na Baixa e na ponte Vasco da Gama para fazer parecer que a Baixa é uma auto-estrada.
  • O valor amplamente divulgado pela CML que 70 % do tráfego do Terreiro do Paço é de atravessamento é uma ficção. O próprio estudo encomendado pelo gabinete do vereador Manuel Salgado ao TIS, presidido pelo Professor Catedrático de Transportes no Departamento de Engenharia Civil do Instituto Superior Técnico, reconhece o facto. Basta ler o parágrafo que refere o facto de esse valor só respeitar aos movimentos que não têm origem e destino no interior do perímetro delimitado pelos Restauradores, Campo das Cebolas, Corpo Santo/Cais do Sodré e Martim Moniz. Como refere o estudo da Parque Expo, e o próprio estudo do TIS, basta considerar um perímetro mais alargado entre Santa Apolónia e Santos, até ao meio da Av. da Liberdade (Praça da Alegria) para os 70 % se reduzirem em 35 a 40 %. Continuar a insistir no erro é incompreensível.
  • Seria interessante que a CML mostrasse quais são os itinerários alternativos para este tráfego do perímetro mais alargado e que se dirige para o Chiado e para a encosta do Castelo.
  • Quanto à questão da qualidade do ar e do nível de ruído quando a Baixa for um deserto, o silêncio será permanente e o ar puríssimo…
scroll up