O cinquentenário de Sua Majestade

|AUTOCLUBE

A ideia era superar o DS, que em 1955 havia causado grande furor. O objetivo quase foi conseguido, mas a marca quase entrou em falência, sendo comprada pela Peugeot, por apenas 1 franco.

sm-1

Um ano depois da Citroën ter celebrado 100 anos, em 2020 é a vez de uma das suas melhores criações celebrar 50 anos de história, criando uma etapa importante da evolução do automóvel.

O Citroën SM, também conhecido como “Sa Majesté" (Sua Majestade), trazia um impressionante motor V6 de 2,7 litros que, por ser construído inteiramente em alumínio, era extremamente leve e muito baixo. Também era muito curto, permitindo espaço para o sistema de suspensão. Este motor, assinado pela Maserati, produziu 170 cv na versão com carburadores, 178 cv na versão de injeção e 180 cv nas versões de 3 litros para o mercado americano.

Os novos motores Maserati fizeram milhares de quilómetros de testes, mas não o suficiente. A Citroën estava com pressa de lançar o modelo no mercado. O SM foi apresentado após apenas 22 meses de desenvolvimento, muito pouco tempo até para os dias de hoje.

Essa pressa no desenvolvimento fez nascer o revolucionário SM com alguns defeitos da juventude. Infelizmente, os cofres da Citroën estavam a esvair-se rapidamente com este modelo. A Fiat saltou do projeto e, sem dinheiro para avançar, o governo francês obrigou a Peugeot a comprar a famosa marca criada por André Citroën por um simbólico franco francês. Ao assumir o controlo da empresa, a Peugeot fechou a linha de montagem do SM e ordenou a destruição de quase 200 veículos praticamente finalizados.

Como o DS em 1955, o Citroën SM foi uma revolução em 1970, a ponto de eclipsar todas as outras novidades presentes em Genebra e ser declarado por unanimidade a estrela do evento. Incorporou o sistema hidropneumático do DS (os seus elementos de suspensão são os mesmos), mas aprimorados. O SM foi o primeiro Citroën com o comando de mudança no chão, em vez de posicionado na coluna de direção.

O sistema hidropneumático centralizou o controle da suspensão, os travões assistidos a alta pressão e a distribuição das travagens, dependendo da carga (com discos de 4 rodas) e também da direção. Isso não era novidade, o DS já o possuía 15 anos antes, mas, num esforço para fabricar o carro de tração dianteira mais rápido e seguro do mundo, os engenheiros da Citroën introduziram uma novidade hoje em dia básica: uma direção hidráulica de dureza variável com a velocidade.

Essa direção, chamada Diravi, não apenas endureceu com a velocidade (bem, na verdade, com as rotações do motor), mas também tinha autocentralização. Foi extremamente direto e rápido. Hoje, os melhores carros do mercado copiam essa ideia, mas em 1970 o normal era um carro dar entre 4 e 5 voltas de volante, ao passo que o SM apenas dava duas, o que significou quase uma reaprendizagem para os automobilistas da época.

O sistema de travagem de alta pressão e os enormes discos e pneus fizeram do SM o carro com a menor distância de travagem do mundo, não apenas em 1970 já que o seu recorde só foi batido em 1978, três anos depois de deixar de ser produzido. Ainda hoje, suas distâncias de travagem são comparáveis às da maioria dos carros atuais.

Desenhado por Robert Opron, o SM incorporou os faróis direcionais montados pelos franceses no restyling do DS, mas com uma diferença. Enquanto no DS os faróis giravam e acenavam com um mecanismo de cabos e para a frente, no Citroën SM os faróis direcionais e com controlo constante de inclinação eram hidráulicos.

Outra novidade absoluta presente no SM foi o mecanismo do limpa pára-brisas. Foi o primeiro carro a incorporar um sistema que se ajustava automaticamente à quantidade de chuva. Hoje é um elemento muito frequente, mas há 50 anos era pouco menos que ficção científica.

A Citroën até realizou testes para incorporar um airbag no SM, com planos para aplicar em 1975, mas os novos proprietários da empresa afastaram a ideia.

Coluna de direção ajustável em altura e profundidade, apoios de cabeça ajustáveis, janelas elétricas, ar condicionado, suspensão ajustável em altura, os faróis mais eficazes do mercado... o Citroën SM ridicularizou os rivais em termos de equipamentos, qualidade e tecnologia de fabricação ... mas também em preço.

Em 1970, um SM em França custava o mesmo que um Ferrari Dino e o dobro do Jaguar E-Type. Em Espanha, com importações proibidas, apenas 83 unidades do Citroën SM foram vendidas e a preços exorbitantes. Para se ter uma ideia, apenas o seguro anual de um SM custava o mesmo que um Renault 12 completamente novo. Hoje em dia pode parecer incrível que um Citroën estivesse no topo do mercado, mas ter um SM em 1970 era algo como hoje ter, por exemplo, um Aston Martin Rapide.

A Citroën comercializou apenas um tipo de carroceria para o SM, o coupé de 3 portas projetado por Robert Opron, mas havia vários carroçadores que ficaram fascinados com esta espécie de aeronave com rodas e usaram-no como base para seus projetos:

- Citroën SM Opera: Henri Chapron fabricou 7 unidades do Citroën SM com uma elegante carroceria de 4 portas. Seu preço duplicou face ao do GT. Atualmente, seu preço é superior a 250.000 euros.

- Citroën SM MyLord: também criado por Henri Chapron, esta é a versão conversível do SM. Quatro cópias foram fabricadas. Seu preço atual é superior a 300.000 euros.

- Citroën SM Espace: este modelo tipo targa, com teto retrátil, foi obra do especialista Heuliez, que fabricou duas cópias (algumas publicações falam em 3). Seu preço atual é de cerca de 300.000 euros.

- Citroën SM Presidentielle: o governo francês encomendou duas cópias do SM com um corpo alongado para seus atos mais mediáticos. Seu preço atual é incalculável.

- Citroën SM Proto Michelin: A marca de pneus, como acionista da Citroën, encomendou o desenvolvimento de um veículo experimental para explorar os limites de potência em carros com tração dianteira. Com o motor a debitar cerca de 300 hp, esse protótipo também serviu de laboratório para experimentar os primeiros passos das suspensões ativas e adaptativas.

- Citroën SM Proto Rally: em 1971, a Citroën participou pela primeira vez no Rally de Marrocos com o SM e com tanto sucesso que venceu a competição com uma unidade praticamente padrão, embora com alguns pneus novos feitos de material sintético pela Michelin. Nas demais competições, o SM não foi muito competitivo, o que levou o departamento de competição da marca a desenvolver uma versão reduzida do chassi, muito semelhante ao proto Michelin, que foi inscrito em vários testes, mas sem resultados promissores.

Neste vídeo pode ver-se o ator Burt Reynolds nuyma intensa cena de perseguição ao volante de um SM: 

Durante seus quase 5 anos de vida, pouco menos de 13.000 unidades do Citroën SM foram fabricadas. Os censos mais otimistas falam em cerca de 5.000 unidades sobreviventes, embora o aumento do seu valor ao longo dos anos tenha significado que muitas cópias consideradas "mortas" estão agora em processo de restauração, uma vez que seu preço torna rentável a realização dessa tarefa.

scroll up