Green NCAP com novo sistema de avaliações

|AUTOCLUBE

A entidade responsável pela avaliação ecológica de automóveis na Europa acrescenta parâmetros de avaliação e revela novos resultados.

Hyundai-GreenNCAP

Nove meses depois da sua criação, o Green NCAP divulga agora novo conjunto de testes levado a cabo a mais de uma dezena de carros e introduz um novo parâmetro ao conjunto total de elementos analisados: a avaliação dos gases com efeito de estufa.

A bateria de testes agora levada a cabo incidiu sobre cinco conjuntos de automóveis: elétricos, híbridos, citadinos, monovolumes e familiares, sendo que a maior parte dos modelos se ficou pelas três estrelas, ou abaixo.

No que toca aos elétricos, como seria de esperar, o Hyundai Kauai e o Renault ZOE receberam nota máxima, com cinco estrelas pelos excelentes resultados conseguidos em termos de limpeza do ar, eficiência energética e gases com efeito de estufa.

Também com prestação positiva, mas já nos híbridos, o Toyota C-HR foi cotado com 3,5 estrelas. Um resultado que se deve à melhoria da eficiência graças à conjugação da tecnologia híbrida com um propulsor a gasolina, a mesma usada pelo Honda CR-V, mas que neste caso se ficou pelas 2,5 estrelas.

Melhor que a proposta da Honda, mas apenas com motorizações a combustão, os três citadinos mais populares, o VW Polo, Renault Clio e Peugeot 208 terminaram o teste com três estrelas.

Já no que respeita aos familiares diesel, o Mercedes-Benz C220d também apresentou prestação positiva, com uma avaliação 3,5 estrelas superando, por curta margem, o VW Passat 2.0 TDI, que somou três estrelas. Menos bem apresentou-se o BMW 320d, que se classificou mesmo a meio da escala com 2,5 estrelas. Neste segmento, o Mercedes, em particular, impressionou com o controlo de emissões poluentes que, apesar de muito longe do nível zero dos elétricos, demonstrou o que se pode conseguir com um bom desenho de motor e tratamento de gases de escape.

No fim da escala surgem os monovolumes. VW Transporter, Mercedes-Benz V-Class e Opel Zafira ficaram-se apenas por 1,5 estrelas, em grande parte devido ao peso e fraca aerodinâmica. Apesar do bom tratamento dos gases de escape permitir um bom controlo das emissões poluentes, requerem muito combustível para se deslocarem.

“Estou orgulhoso por o Green NCAP conseguir agora partilhar dados mais compreensivos, com uma avaliação mais aprofundada do impacto ambiental dos carros novos para ajudar os consumidores a escolherem os seus veículos de forma mais sustentável,” afirmou Niels Jacobsen, Presidente do Euro NCAP.

“O sistema de avaliação do Green NCAP foi fortemente revisto e agora inclui também Emissões de Gases com Efeito de Estufa, bem como Ar Limpo e Eficiência Energética. Como medimos as emissões no tubo de escape, é natural os carros elétricos saírem-se melhor nos testes. Contudo, o Green NCAP vai continuar a evoluir e o planeamos incluir em futuros testes cálculos de emissões do produtor ao consumidor e também análise de ciclo de vida,” rematou Jacobsen.

scroll up