FIA propõe sistema mais seguro para carros conectados

|AUTOCLUBE

Estudo da Federação Internacional do Automóvel revela um sistema de transmissão de dados no automóvel mais justo e seguro. 

connected-car-1

Um novo estudo, encomendado pela FIA (Federação Internacional do Automóvel), mostra que há um modelo mais seguro de acesso a dados, funções e recursos de veículos, com mais recursos e compatível com futuras funcionalidades a introduzir nos automóveis, sendo a melhor alternativa ao atual sistema comercializado e controlado pelos fabricantes de veículos.

Os veículos estão cada vez mais conectados (ligados à internet), abrindo caminho para novos serviços remotos e tráfego interconectado. Para que a sociedade beneficie plenamente dessa digitalização, o acesso a dados e funções não deve impedir a inovação e a concorrência e deve também garantir a proteção contra ataques à integridade dos sistemas de veículos e o roubo de dados.

O delicado equilíbrio entre o acesso aos dados e funções do veículo, por um lado, e um nível de segurança de ponta, por outro, é garantido pela plataforma de telemática a bordo (On-Board Telematics Platform - OTP), apresentada no estudo.

No OTP, a administração do acesso aos dados do veículo é realizada por um administrador independente e neutro, respeitando o princípio da separação de tarefas. O modelo OTP resolve, portanto, uma das principais falhas do modelo atual, em que os fabricantes de veículos, atuando não só como prestadores de serviços e também controladores dos dados, mantêm o controle total do mercado de pós-venda, dificultando a concorrência e a inovação à medida que se tornam monopolistas de dados.

Igualmente importante: o OTP coloca os consumidores no lugar de comando do seu tráfego de dados: cabe assim ao automobilista ou proprietário do veículo escolher quais os dados que podem entrar e sair do veículo, ativando ou desativando os respetivos serviços à medida da sua conveniência, podendo ativamente selecionar os fornecedores de serviços, a qualquer momento.

A diretora geral da região I da FIA, Laurianne Krid, comentou: “Este estudo oferece uma alternativa concreta, segura e melhorada face ao modelo atual, permitindo que as falhas inerentes ao sistema de acesso a dados proposto pelos fabricantes de veículos sejam superadas. Falhas que, de outra forma, custarão milhares de milhões aos consumidores, prestadores de serviços independentes e à sociedade como um todo ”.

De facto, num estudo anterior, a Região FIA I constatou que, até 2030, a adoção do atual sistema de "Extended Vehicle" poderia levar os consumidores e prestadores de serviços independentes a suportar custos de cerca de 65 mil milhões de euros anuais.

A Região I da FIA insta a Comissão Europeia a implementar legislação para obrigar os fabricantes a adequar o OTP agora proposto e as medidas de segurança associadas em todos os veículos recém-registrados a partir de 2024.

As preocupações com a segurança dos veículos não são um problema exclusivo da Europa e podem ser vistas em muitos países em todo o mundo. Portanto, a Região I da FIA também vai propor medidas semelhantes a serem adotadas ao nível global da UNECE, para que cidadãos de países extra-comunitários também possam beneficiar dos méritos significativos de um OTP e estar protegidos contra riscos e ameaças cibernéticas em todo o mundo com medidas de segurança avançadas.

scroll up