GLB é o novo SUV de sete lugares da Mercedes-Benz

|AUTOCLUBE

Posicionado entre o GLA e o GLC, este SUV compacto é esperado no mercado português lá mais para o final do ano.

Mercedes GLB_1920

Revelado no Utah, EUA, e anunciado pela marca como um modelo "tão prático como um canivete suíço” ou qualquer outra ferramenta que se distinga pela polivalência, funcionalidade e versatilidade, o novo SUV da Mercedes-Benz conta com a mesma plataforma do Classe A e Classe B, 4634 mm de comprimento (quase tanto como do GLC), 1890 mm de largura, 1900 de altura e uma distância entre eixos de 2829 mm (mais 100 mm que o Classe A).

A bagageira tem 560 litros de capacidade na versão de cinco lugares (mais 10 litros que o GLC e mais 115 que o Classe B). Caso opte pela segunda fila com bancos deslizantes é possível ganhar mais 179 litros de capacidade na mala.

No lançamento vão estar disponíveis dois motores a gasolina, o 1,3 de 163 cv (GLB 200) e o 2.0 de 224 cv (GLB 250 4Matic), e três Diesel, o 2.0 nas variantes de 150 cv (GLB 200d e GLB 200d 4Matic) e de 190 cv (GLB 220d 4Matic).

No interior, o painel de instrumentos é semelhante aos restantes compactos da marca, nomeadamente o Classe A, B e CLA. A única diferença está na decoração da zona em frente ao passageiro da frente e os painéis interiores das portas. O sistema de infotainment MBUX (com capacidade de reconhecer comandos vocais) tem um ecrã de 10,25 polegadas.

O sistema 4Matic tem três configurações base: Eco, Comfort (com distribuição de binário de 80/20) e Sport (70/30). As versões 4×4 contam com o pack Off-Road Engineering, que inclui um modo Off-Road que permite uma distribuição 50/50 entre eixos e que afeta o funcionamento do ABS, um menu específico no infotainment para ver dados de inclinação lateral, ajuda em subidas e uma função de iluminação especial para facilitar obstáculos fora de estrada em condução noturna abaixo dos 50 km/h, em combinação com os faróis de matrix LED.

O Mercedes-Benz GLB que pretende fazer frente ao Audi Q3 e BMW X1, vai ser produzido em Aguascalientes (México) e em Pequim (China) e ainda não tem preços definidos para o mercado português, onde é esperado no final de 2019.

scroll up