É uma bicicleta? É um carro? É um...

|AUTOCLUBE

Lembra-se dos carros a pedais da nossa infância? Pois é, e se tivesse a oportunidade de ter um, moderno, com assistência elétrica e coberto para circular na cidade?

fmc-01

É daqueles que até gosta da ideia de fazer exercício e dar ao pedal, mas não aprecia nem um pouco os inconvenientes causados por condições climatéricas desfavoráveis? Além disso, é daqueles que não pedala para o trabalho por que chega ao escritório “impróprio para consumo”?

Pode estar prestes a deixar de ter desculpa para não ir de casa para o trabalho a dar ao pedal. Isto a julgar pelo mais recente protótipo lançado pela Canyon, fabricante alemão de bicicletas, que juntou o conceito de uma bicicleta em que o utilizador pedala na horizontal dentro de uma cápsula com quatro rodas e motor elétrico. A ideia da marca surge numa altura em que mobilidade nas cidades está a mudar e em que predomina cada vez mais o carro.

Daí a criar a ponte entre as duas rodas a pedal e o carro foi um salto que a Canyon deu com o Future Mobility Concept. Fazendo uso de materiais leves da próxima geração e da experiência que já detém em bicicletas elétricas, o fabricante germânico, em parceria com a Universidade Técnica de Aachen, desenhou um veículo de quatro rodas, que pode circular totalmente fechado, ou aberto. Isso mesmo!

O conceito de cápsula permite ao condutor optar por circular de cabelos ao vento quando o tempo o permite. A cápsula move-se ao longo de dois carris, podendo ser bloqueada na posição frontal para que o ciclista (ou condutor, como preferir) se possa descolar a céu aberto.

“Ah! Mas eu tenho de levar a criança à escola e também há várias vezes em que vou às compras quando regresso para casa!” – Desengane-se. Não serve de desculpa. É que o Future Mobility Concept tem espaço suficiente atrás do utilizador para transportar uma criança, ou colocar as compras que fez na mercearia a caminho de casa.

E não é tudo. De acordo com a marca, o Future Mobility Concept pode ser utilizado nas ciclovias. E não é de estranhar, pelo menos a julgar pelo facto de ser um veículo locomovido a pedais (o pormenor de ter assistência elétrica não entra na equação porque as bicicletas elétricas já o fazem) e também porque é pouco mais largo que uma pessoa, apresentando medidas semelhantes às dos triciclos de carga – também eles aptos a circular nas ciclovias.

Resta agora esperar para ver se o projeto ganha a luz do dia e, ganhando, qual a penetração que poderá conseguir no mercado.

scroll up