Como conduzir com chuva, vento, nevoeiro ou neve

Cuidados a ter com condições climatéricas adversas

Com as estações mais frias, as condições climatéricas alteram-se e trazem consigo mudanças que devem ser tidas em conta na estrada. Tal como nos agasalhamos adequadamente, também a condução do veículo deve ser adaptada, tendo em conta os possíveis perigos. Conduzir com chuva, vento, nevoeiro ou neve comporta riscos a ter em atenção por qualquer condutor. Adaptar a condução e antecipar riscos constituem as melhores formas de manter a segurança na estrada. É importante responder com calma e reagir rapidamente quando algo inesperado acontece — como derrapar devido ao piso molhado. Estas são, aliás, algumas das prioridades a ter numa condução defensiva que pode aprender com o ACP.

Sabe como conduzir perante condições climatéricas adversas? Siga estes conselhos.

  1. Chuva

    A chuva traz vários desafios à segurança rodoviária, aumentando o risco de acidente. Isto acontece pela presença de água na estrada (misturada com sujidade e óleo), o que reduz a capacidade dos pneus em aderirem ao piso, e pelo agravamento da visibilidade — sobretudo se chover com grande intensidade.

    Estes dois fatores contribuem para um outro: o stress físico no condutor, por ter de conduzir de forma prolongada sob más condições de aderência e visibilidade, que aumentam a fadiga e condicionam o comportamento.

    Em situações de chuva forte, a probabilidade de hidroplanagem ou "aquaplaning" — isto é, o efeito de “planagem” do veículo sobre uma película de água — aumenta, sobretudo se associada a velocidades elevadas. Saiba mais sobre este efeito comum sob chuva e teste os seus conhecimentos.

    Como conduzir com chuva

    Acima de tudo, modere a velocidade. Caso o carro comece a derrapar, não trave a fundo. O aconselhável é tirar os pés dos pedais e aliviar a direção até começar a sentir que fica mais “pesada”. Não se esqueça de manter uma distância de segurança para o veículo da frente, e tenha sempre luzes e escovas em bom estado, para que possa ver e ser visto.

  2. Vento

    Quando muito forte e a soprar lateralmente, o vento é um fator de risco para a segurança rodoviária, uma vez que afeta a estabilidade do veículo. A influência que o vento tem sobre a trajetória do mesmo faz-se sentir em função da velocidade a que este circula, dimensão e carga. É aconselhável conhecer algumas regras de condução defensiva para se saber lidar com fortes rajadas durante a condução.

    Quando o vento sopra forte, existem momentos a que se deve dar maior atenção: quando se sai de um túnel ou zona protegida, pois deixa de haver a proteção da estrutura; ao ultrapassar veículos com dimensões mais volumosas, como camiões ou autocarros — dadas as suas medidas, acabam por bloquear o vento aos outros condutores; e nas passagens de pontes ou viadutos, onde o vento circula de forma mais livre e com correntes de ar.

    Como conduzir com vento

    Observe as zonas laterais da estrada (sobretudo se tiver vegetação) para perceber a intensidade e a direção do vento. Agarre o volante firmemente com as duas mãos, impedindo que se mova e modere a velocidade.

  3. Nevoeiro

    O nevoeiro ocorre, sobretudo, em zonas baixas ao nível do mar ou em zonas de montanha, ainda que possa surgir em qualquer local. Também em estradas com declives alternados e acentuados, podem surgir bancos de nevoeiro nas zonas mais baixas. O nevoeiro é responsável por aparatosos acidentes, uma vez que diminui acentuadamente a visibilidade, de dia ou de noite.

    Como conduzir com nevoeiro

    Tal como conduzir sob chuva, na presença de nevoeiro a velocidade deve ser reduzida, de modo a permitir paragens atempadas em caso de necessidade. As escovas limpa-vidros devem estar funcionais, e deve haver sempre água no limpa para-brisas. Utilize o aquecimento ou o ar condicionado para ventilar os vidros frontais e laterais.

    Não se esqueça de ligar os faróis de nevoeiro traseiros sempre que necessário (e de os desligar logo que as condições voltem ao normal, de modo a evitar encandeamentos) para ser visto por outros condutores e, caso tenha de imobilizar o veículo ou circular a velocidades muito baixas, ligue os quatro piscas ou luzes de emergência.

  4. Neve

    Nas zonas de maior altitude, a neve pode surgir nos dias em que as temperaturas são mais baixas. Com a neve, as probabilidades de ocorrer gelo ou geada são fortes. Estes três fatores têm influência na condução, já que existe uma elevada diminuição na aderência e na capacidade de tração do veículo. Este pode derrapar, sobretudo nos locais em que se forma uma fina camada de gelo.

    Como conduzir com neve

    Caso se encontre num local com neve, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT) aconselha recorrer à «colocação de correntes ou proteções nos pneus das rodas de tração ou mesmo à substituição por pneus especiais para neve».

    A velocidade deve ser ainda mais reduzida caso tenha de conduzir com neve. Em superfícies com gelo (onde é desaconselhado conduzir), nunca utilize o travão, pois pode perder a direção do carro. Utilize uma mudança de velocidade baixa para permitir reduzir a velocidade. Não se esqueça que, também nestas condições, é importante sinalizar a presença do seu veículo perante outros condutores. Ligue as luzes, incluindo as de nevoeiro.

 

Imprevistos ao conduzir com chuva ou outras condições climatéricas

Mesmo cumprindo à risca todos os conselhos para conduzir com chuva, vento, nevoeiro ou neve, os imprevistos acontecem. É por estas razões que importa ter um seguro que cubra danos ou que ajude a reparar avarias no local (sempre que possível). Com o Seguro Auto do ACP, pode contar com coberturas contra terceiros, assistências ilimitadas, cinco dias de veículo de substituição e um preço reduzido de 10,99€ por mês.

Proteja-se a si e ao seu carro

scroll up