Os 5 melhores carros renascidos

|AUTOCLUBE

Podem os carros que fizeram uma época "renascer" como novos? Podem e estes são os melhores, segundo a Goodwood Road & Racing. 

250-swb-revival

Restaurar clássicos não é novidade, o que é realmente novo é ver carros clássicos renascidos. Nos últimos anos, vários fabricantes como a Jaguar e outras empresas como a Singer estão a construir e desenvolver o que parecem ser novos carros clássicos, mas com materiais, técnicas e padrões de construção modernos. A Goodwood Road & Racing, que organiza os famosos Festival Of Speed e o Goodwood Revival, escolheu os cinco mais bem conseguidos da atualidade.

Jaguar E-type

A Jaguar foi uma das primeiras empresas a começar a construir os seus próprios carros "novos-antigos" e, até agora, trouxe de volta ao mundo o E-Type, o XKSS, D-Type e C-Type.

No entanto, é o E-Type que faz parte desta restrita lista. Foi revelado no início de 2021, pouco antes do 60º aniversário oficial do carro original em 15 de março. Foi nesse dia que um E-Type, um protótipo do coupé feito à mão com a matrícula ‘9600 HP’, foi apresentado no Salão Automóvel de Genebra pelo fundador da Jaguar, Sir William Lyons. O sucesso foi tão grande que um dos mecânicos da marca teve de viajar noite fora até Genebra para entregar um modelo na versão roadster, a tempo de ser contemplado no Salão.

O espírito para este "renascimento" é simples: leve dois e pague muitoAgora foram produzidas 12 novas unidades do E-Type, seis em versão coupé e os restantes em modo roadster, que só podiam ser vendidos aos pares.

Aston Martin DB4 GT Zagato Continuation

Para aceder a este Aston Martin "renascido", o mote também é o dos casais. É que só quem comprar o DBS GT Zagato é que pode ter este DB4. Tudo para a pensar nos colecionadores e na DBZ Coleção de Centenário, sobretudo os que abriram os cordões à bolsa, pois só foram feitos 19 exemplares destes modelos. 

Em termos históricos, o Zagato original foi baseado no DB4 GT e, portanto, tinha um chassis mais curto, um motor de seis cilindros em linha e menos peso em comparação com o DB4 'padrão', e foi pilotado por pilotos como Sir Stirling Moss (a primeira grande corrida do carro foi o Goodwood Easter Meeting em 1961 com Moss ao volante, terminando em terceiro), Roy Salvadori e Graham Hill.

Agora, em vez de um seis cilindros em linha de 3,7 litros, conforme o original, as novas máquinas têm motores de seis cilindros em linha de 4,7 litros com cerca de 395 CV, enquanto a potência vai para as rodas traseiras através de uma caixa manual de quatro velocidades e diferencial deslizante, tal como sucedia em 1961. Tudo foi montado usando as mesmas técnicas da época, mas, graças à medição moderna e à tecnologia de computador, o nível de precisão e qualidade de construção resultou muito maior. Mesmo assim, construir cada um destes Continuation foi um trabalho de 4.500 horas.

250 SWB Revival

A Ferrari não faz renascer os seus clássicos, considerados os mais valiosos do mundo, mas há uma empresa que corajosamente decidiu arriscar e recriou um ícone italiano muito especial e muito valioso. Essa empresa é a GTO Engineering e o carro é o 250 SWB Revival.

A empresa diz que o 250 SWB Revival é “inspirado no Ferrari 250 GT SWB Berlinetta Competizione” e, como resultado, nenhum dos carros construídos usará um número de chassi da Ferrari ou será construído com as especificações exatas do original. Em vez disso, a palavra “inspirado” é a chave, já que cada carro construído deve ser uma “variante mais utilizável, personalizável e sob medida do original altamente colecionável”.

Então, o que ganhamos com este "renascimento"? Bem, entre outros, há o motor que, ao contrário do carro original, pode ser um 3,0 litros, 3,5 litros, 4,0 litros ou um motor Columbo V12 feito à mão sob medida, construído na sede da GTO em Twyford, Berkshire, Reino Unido, ao longo de mais de 300 horas.

Cada carro leva de 12 a 18 meses para ser construído, dependendo das especificações, e até agora a GTO Engineering construiu mais de 30. Não, não é um SWB original, mas esse não é o ponto. O que é, é lindo, os detalhes são requintados, e seria mentira dizer que não queremos experimentar um.

Frontline Developments MG Abingdon Edition

Os MG de hoje em dia são muito diferentes dos MG de há vários anos. Ao entrarmos num showroom da MG somos saudados por um punhado de SUV, um hatchback e uma carrinha elevada, mas dos anos de 1950 aos anos de 1970 a notoriedade da marca MG foi construída em torno de uma grande variedade de carros desportivos. Pelos padrões atuais, moviam-se a um ritmo quase glacial, mas eram veículos pequenos, leves, simples e honestos e, apesar das várias fraquezas mecânicas, eram considerados companheiros corajosos e divertidos.

Como se pode imaginar, um MG clássico renascido não funcionaria realmente para a marca MG de hoje, e é por isso que essa tarefa ficou a cargo de uma empresa chamada Frontline Developments. A empresa, fundada em 1989, pega em MGB antigos e, para todos os efeitos e propósitos, os "reengenharia" inteiramente, revendo o chassis (é "cozido" num forno a 650 graus centígrados para remover todos os vestígios de ferrugem, enchimento e tinta) e criando novos painéis da carroceria com as especificações exatas dos originais. A diferença aqui, porém, é que as medidas são exatas, o que certamente não acontecia naquela época.

A Frontline Developments propõe dois modelos prontos para uso, o MG LE50 e o MG Abingdon Edition. O LE50 é o mais barato dos dois, essencialmente um MGB construído de acordo com os padrões de engenharia modernos. Há um motor Mazda moderno sob o capot, por exemplo, o suficiente para 217 CV. Mas é no MG Abingdon Edition que se concentram as atenções, já que seu objetivo é entregar a aparência e o charme de um MG clássico, mas com desempenho moderno.

Nomeado em honra à fábrica onde durante 50 anos os MG foram produzidos, o Abingdon Edition é equipado com um motor Mazda de quatro cilindros de 2,5 litros com 293 CV e 326 Nm de binário, bem como uma caixa de velocidades manual de seis velocidades. O resultado é uma velocidade máxima de 250 km/h.

Porsche 911 restaurado e reinventado por Singer

Infelizmente, a Porsche, tal como a Ferrari, também não reconstrói os seus clássicos. Dito isto, há um punhado de empresas espalhadas pelo mundo que tentam trazer de volta os antigos 911 a um padrão que poderia ser considerado como novo de fábrica, e se é um fã de Porsche antigos, provavelmente deve reconhecer o nome desta empresa: Singer.

Por razões legais enfadonhas, a Singer é muito clara sobre o que faz e o que não faz e como seus veículos podem ou não ser chamados. A Singer “restaura e modifica Porsches existentes” e “não fabrica nem vende automóveis”. Além do mais, nenhum de seus carros deve "sob nenhuma circunstância ser referido ou descrito" como um Singer, Singer 911, Singer Porsche 911 ou Porsche Singer 911, mas sim um "Porsche 911 restaurado e reinventado por Singer". Mas, independentemente da nomenclatura, Singer leva Porsche 911 e restaura, reconstrói e reimagina-os de acordo com as especificações exatas de cada proprietário. Os resultados são excelentes.

Como alguns desses carros são criados sem restrições de orçamento e como a Singer pode fazer uso de tecnologias e processos de fabricação que simplesmente não existiam há cerca de 40 anos, muitas vezes os carros são mais leves, mais rígidos, potentes e mais rápidos do que eram quando novos. Um chassis em fibra de carbono é uma das suas fantasias? Ou que tal um motor de seis cilindros de 4.0 litros desenvolvido pela Cosworth, que foi posteriormente manipulado pela Ed Pink Racing Engines, para produzir 390 CV? O que você quiser, é seu.

scroll up