Lavagem, limpeza e conservação

Cuidados a ter com o seu clássico

O armazenamento prolongado de um clássico deve passar por uma serie de procedimentos que são importantes mas que, por parecerem tão simples são muitas vezes descurados. É isso que tentaremos dar conta neste primeiro módulo. Falaremos da lavagem, limpeza e conservação.


Queremos desde já  agradecer  ao nosso amigo Pedro Balsemão, (especialista nas várias áreas da cosmética automóvel) que em tempo de confinamento se disponibilizou para gravar os vídeos que apresentamos ao longo do módulo.

A lavagem do seu carro clássico

De forma a potencializar a proteção e conservação do seu Clássico e previamente ao seu armazenamento, é aconselhável que a pintura esteja totalmente limpa. Pode recorrer à lavagem tradicional, caso exista a possibilidade de garantir uma total secagem ou optar pela limpeza a seco.

Lavagem tradicional

Limpeza a seco

Cuidados após a lavagem

Após lavagem e secagem, deverá proceder-se à descontaminação, para retirar todos os agentes contaminantes que se acumulam em cada utilização rodoviária, mas que o shampoo ou o produto de lavagem já não consegue remover. Alguma desta contaminação passa despercebida à vista, no entanto é percetível ao tato e capturada no agente descontaminante - Argila de limpeza - Clay Bar.

Após a descontaminação e para a total proteção e isenção de pó, a carroçaria deverá ser encerada.

 



 

 

A limpeza das jantes

As jantes devem estar limpas e protegidas para evitar a acumulação de pontos de humidade que posteriormente podem evoluir para pontos de corrosão superficial. Existem vários produtos para o tratamento, proteção e conservação das jantes, no entanto, caso não se encontre acessível um produto específico para o efeito, em contingência e em especial para as jantes construídas em materiais ferrosos, poderá usar-se um multiusos lubrificante tipo “WD-40” que impede a acumulação de humidade.

 


De salientar que o material de fricção desagregado dos calços e pastilhas, a cada travagem, tende a acumular-se nas jantes, principalmente na parte interior e funciona como um agente contaminante e corrosivo.

Ainda neste contexto, deverá ser dada especial atenção cuidado às jantes de raios - Wire Wheels, pois a propensão para a acumulação de detritos e consequente formação de pontos de corrosão é muito superior, devido à quantidade de peças presentes. Nestes casos o procedimento a seguir poderá ser o mesmo, mas utilizando uma escova para o efeito.

Para as jantes cromadas e/ou polidas deverá ser usado um produto específico para polir cromados - Metal Polish.

Após a lavagem os pneus devem ser hidratados e protegidos do sol.


 

As escovas limpa vidros deverão ser retiradas ou levantadas de forma a evitar o contacto com o vidro e a consequente colagem da borracha ao mesmo; no caso do uso de capa, poderão ser utilizados calços nas hastes (esponja ou esferovite) para manter o afastamento necessário da borracha ao vidro.

Os estofos e interiores devem ser aspirados, limpos e secos.

 

Estofos e interiores em pele

Nos casos específicos de estofos e interiores em pele, após a limpeza, estes devem ser hidratados; caso não se encontre acessível um produto específico para o efeito, em contingência, poderá usar-se um produto pessoal, hidratante e sem aroma para a nossa pele.





Cuidados com a humidade

Com o objetivo de evitar o desenvolvimento de humidade, cheiros desagradáveis e em alguns casos até bolores e fungos.

Será ainda uma boa oportunidade para retirar os tapetes e onde possível, levantar partes da alcatifa para inspecionar eventuais acumulações de água ou humidade no fundo. Deverá ser prestada especial atenção à falta ou montagem deficiente das tampas dos orifícios de drenagem, usualmente presentes nos fundos; esta ausência permite a entrada de humidade no interior da viatura.

Preventivamente, pode ainda ser utilizado um 
desumidificador químico, normalmente à base de Sílica, no interior da viatura.

 

Vidros, capotas e capas durante a imobilização

Nos casos onde que as instalações de armazenamento não possuam pó ou em que será utilizada uma capa respirável, os vidros não deverão ser fechados na sua totalidade.

No caso dos carros descapotáveis, é de máxima importância que a capota não fique recolhida durante a imobilização, a fim de evitar a formação de rugas e vincos nos materiais – Capota e micas.

É aconselhável que a mesma permaneça na posição fechada, mesmo que não trancada.

 



Com a viatura bem seca, pode usar-se uma capa de material respirável para armazenamento interior - Indoor.

Não é de todo aconselhável o uso de capas impermeáveis, pois existe o risco de acumulação de humidade, bem como de causar danos na pintura.

 

 

 

Até ao próximo módulo e aos próximos videos em que o Pedro vai voltar a falar de carros antigos.

Até lá, cuide do seu clássico.

 

O ACP Clássicos é um clube que pretende fomentar partilha de informação por todos os sócios apaixonados por automóveis clássicos ou futuro-clássicos, com vista à sua recuperação, certificação ao abrigo da legislação, disponibilizar proteção como um seguro de clássicos único e proporcionar passeios, provas e eventos desportivos.

Conheça as vantagens

scroll up