Simulação da prova 500 milhas ACP

Neste Módulo, explicaremos tudo o que devemos fazer numa das provas do ACP Clássicos: as 500 milhas ACP.

Tentaremos esclarecer o que se pode preparar antes da prova e o que se deve fazer, à medida que nos vão disponibilizando mais documentação. Para tal, vamos trabalhar com documentos reais, fornecidos para esta prova em 2019:

Para simularem esta prova, juntamos os documentos essenciais:

- Regulamento  
- Lista de inscritos  
- Road Book  
- Carta de Controlo  
- Tabelas de Médias  
- Briefing  

500 Milhas

Preparação das 500 Milhas

A reter do Regulamento

Para além de passarmos a saber os prazos de inscrição, as viaturas admitidas nesta prova e outra informação relevante, devemos reter do Regulamento que nas 500 Milhas só haverá 3 tipos de provas:

  • Provas de Regularidade Hectométrica (PRH);
  • Provas de Regularidade por Sectores (PRS);
  • Provas de Regularidade à Figura (PRF).

Assim, ficamos a saber que não haverá Provas de CHSP, PRA, nem provas mistas;

  • Pelo Art.º 6.2.2 verificamos que “Os automóveis concorrentes deverão estar equipados com, pelo menos, um extintor de incêndio de carga não inferior a 2 quilogramas”;
  • Através do Art.º 13 percebemos que haverá uma Carta de Controlo para cada secção, que é entregue à partida da mesma;
  • O Art.º 16 refere que nos Controlos Horários ou CHSP haverá uma tolerância de somente 2 segundos por atraso;
  • O mesmo Art.º 16 explica que nos Controlos Horários (CH), e não CHSP, é permitido controlar por avanço, sem que a equipa incorra em qualquer penalização;
  • O Art.º 17 menciona que o controlo de tempos será efetuado pelo sistema Blunik;
  • Os Art.os 18, 19 e 20 referem que no início das PECR haverá sempre uma placa informativa com bandeira vermelha e no final uma placa com a bandeira vermelha cortada;
  • Nos mesmos artigos refere-se que as penalizações são sobre a hora ideal, à décima de segundo, com uma tolerância de cinco décimas de segundo por atraso ou por avanço;

Muito mais se pode retirar da leitura do Regulamento, mas julgamos que estas informações são as mais importantes, por serem as que mais variam de prova para prova.

O que podemos fazer antes da prova (As contas na véspera da Partida)

Nas provas do ACP Clássicos, aquando das verificações, geralmente é entregue o Road-Book, e isso acontece nesta prova. Para além deste Caderno de Itinerário foram também fornecidos o Briefing e as tabelas de médias, documentação que podem encontrar em anexo.

Por último, também foi publicada a lista de participantes com a hora de partida e, a partir da sua leitura, ficámos a saber que, para todos os formandos e como a prova é virtual, será às 7:04.

Através do Briefing ficamos a conhecer as distâncias e as zonas onde a organização recomenda o abastecimento. Temos de olhar para o Road-Book para planear onde iremos abastecer, porque as 500 milhas são uma prova de resistência. Como o primeiro abastecimento é recomendado para depois da 1ª secção, que é a que vamos estudar neste Módulo (percurso até ao pequeno almoço), não vamos efetuar esse planeamento. As distâncias estão aferidas por um Km padrão, o Briefing e o Road-Book indicam a sua localização. Antes da prova convém aferir os instrumentos que temos a bordo, nem que seja só o Rabbit.

Do estudo do Road-Book retemos a seguinte informação:

  • Este não começa do zero no início de cada PECR, mas tem os totalizadores de cada PECR num quadrado a cinzento;
  • 17,81 Km após o início, temos a PECR 1, que é uma PRS, e tem 2 sectores de 1,80 Km cada um. Ainda não temos a hora de início ou os tempos a efectuar, que só receberemos à partida para a prova;
  • 45,27 Km após o início efetua-se a PECR2, mais uma PRS, com 3 setores de 2,5 Km;
  • Apenas 1,57 Km após o final da PECR2, começa a PECR3, uma PRF à média de 50 Km/h, com 4,25 Km de extensão e com o seu início após 54,34 Km da partida;
  • A última PECR desta secção, ao 62,91 Km de prova, é a PECR4, uma PRH à média de 50 Km/h, que começa ao Km 102,6 da EN206, e tem uma extensão de 5,4 Km;
  • Por último, ficamos a saber que o CH será cerca de 1 Km depois de acabar a PRH, ao Km 69,39 de prova.

No Road-Book convém compreender onde vamos ter momentos mais calmos e onde temos de estar mais concentrados. Isto porque durante a prova o navegador tem de se guiar pelo Road-Book, mas também tem de fazer todas as contas para a equipa cumprir a prova sem erros. Olhando para o Road-Book, em anexo, podemos ver que da figura 2 à figura 7 seguimos sempre em frente. É uma boa zona para o navegador fazer as contas necessárias, pelo menos até à PECR1.

Depois da PECR1 também é sempre em frente até uma rotunda, 10 Km depois (entre as figuras 16 e 20). Outra ocasião para completar mais umas contas.

Neste Road-Book ainda podemos ver que, quando se vira uma página, não existe nenhuma figura perto da anterior. As figuras com menor distância entre si (menos de 200 metros) são:

  • Após o final da PECR1, 80 metros depois, há um cruzamento onde seguimos em frente (fig.17);
  • Na ligação entre a PECR1 e a PECR2 a figura 21 dista 190 metros da anterior;
  • Na mesma ligação a figura 23 está 160 metros depois da figura 22;
  • A PECR3 inicia-se 90 metros depois da figura 32;
  • A primeira figura da PECR3 encontra-se 110 metros depois do início (figura 34).

Ao vermos a tabela de médias, ficamos a saber que as PECR 1,3 e 4 se regem pela única tabela que nos foi entregue e que é de 50 Km/h. Quando mais trabalho efetuarmos no descanso do hotel, ou de casa, mais calma é a prova dentro do carro, reduzindo a hipótese de erro. Com os dados que analisámos, já podemos começar a preparar as diversas PECR na véspera da partida.

Consideraremos a programação do Rabbit em todas as PECR porque, para quem não tem um contador de metros no carro, pode ser uma ajuda. Mas atenção que só devemos concluir a programação do Rabbit, caso haja tempo para isso. O mais importante dentro do carro é:

  1. Não nos perdermos no Road-Book; 
  2. Começarmos as PECR à hora ideal;
  3. Cumprirmos as PECR como nos pedem e sem erros.

O uso do Rabbit só é essencial nas PRA. Nas restantes PECR pode ajudar, mas não é imprescindível. Para usarmos o Rabbit como odómetro, basta ir acertando a distância.

 

No Rabbit

Se não tivermos mais nenhum contador de metros e quisermos ter o Rabbit na ligação, podemos criar uma PECR0, só para termos a distância e sabermos que não estamos atrasados para chegar à PECR1 (Não é habitual fazer isto, mas é possível. Geralmente colocamos a distância do Rabbit a zero, para nos orientar na ligação, mas sem cálculo de média.)

Como não sabemos a que horas começamos a PECR1, podemos carregar os restantes dados no Rabbit (ver imagem do lado direito).

Iremos efetuar as contas do Rabbit com ligações. Poucos concorrentes as usam, porque é necessário calcular o tempo até à PECR seguinte e é mais uma conta que tem de se fazer. Pode dar jeito, mas não é muito importante ter a ligação no Rabbit.

Rabbit 2.0

PECR1

Relativamente à PECR 1 sabemos que vai ter média de 50 Km/h, para a qual nos deram uma tabela, pelo que sabemos que temos de demorar 2:10 no primeiro sector. O outro sector deverá ser percorrido no mesmo tempo, porque a tabela de médias refere que se aplica a esta PECR. No entanto, quando recebermos a Carta de Controlo, devemos confirmar que é mesmo assim, porque o que é válido é o que está na Carta de Controlo.

No Rabbit

Para a PECR1 não sabemos a hora de início, mas podemos calcular o resto, deixando o Rabbit “meio programado”.

Nas 500 milhas temos a particularidade de o Road-Book não começar do Zero no início de cada PECR. Não referimos este assunto, no Módulo 6, aquando da programação do Rabbit, para não complicar ainda mais. Mas, é possível programar o início a outro quilómetro, que não o Zero. Atenção que, neste caso, no início não colocamos a distância a zero, mas ao valor onde começamos a PECR. Voltaremos a focar este aspeto quando estivermos a analisar os procedimentos durante a prova.

Antes de começar a prova podemos fazer uma programação prévia do Rabbit para a PECR1 (ver imagem do lado direito).

Rabbit 2.0

PECR2

Relativamente à PECR 2 não podemos calcular o tempo a efetuar, porque não sabemos a média.

No Rabbit

Mas podemos pré-carregar alguns dados no Rabbit. Sabemos que:

  • Vai começar ao Km 45,27 de prova;
  • O final do 1º Sector vai ser ao Km 47,77 de prova;
  • O final do 2º Sector vai ser ao Km 50,27 de prova;
  • O final do 3º Sector vai ser ao Km 52,77 de prova;
  • O início da PECR3 será ao Km 54,34 de prova.

Com esta informação podemos carregar uma parte da PECR, como podemos ver na figura do lado direito.

Rabbit 2.0

PECR3

Para a PECR 3, podemos escrever as horas de passagem de cronómetro em cada figura do Road-Book, usando a folha de cálculo fornecida no Módulo 4. Embora nos possamos guiar pela tabela de médias fornecida, essa não tem as horas de cada figura, por ser de 100 em 100 metros. A tolerância que temos, pelo que vimos no Regulamento, é +/- 0,5 segundos.

Tabela

No Rabbit

Para o Rabbit necessitamos do quilómetro de início, que é o 54,34. A média é toda de 50 Km/h até ao Km 58,59 e o início da PECR4 será ao Km 62,91. Com estes dados podemos carregar parte da PECR, como podemos ver na imagem do lado direito. 

Rabbit 2.0

PECR4

Para a última PECR desta secção, que é uma PRH, podemos criar uma tabela com Km da Estrada, para não nos perdermos. Usando a tabela do Módulo 3 ficaria assim:

Tabela

Esta é a melhor maneira de realizar a prova, uma vez que a quilometragem da estrada pode não ser coincidente com a aferição do Rabbit. 

No Rabbit

No entanto, para quem não gosta de “procurar” os marcos quilométricos, usar o Rabbit é melhor que nada. Mas nunca fará as PRH com muitos zeros, pois como esclarecemos no Módulo 3, as distâncias podem estar bastante desfasadas. 

Em termos de Road-Book, como consta no Art.º 18.4 do Regulamento, nestas provas a distância pode não estar correta.

Mas, no Módulo 6, explicámos como acertar a distância no Rabbit, que nestas provas pode ter um erro maior.

Para pré-programar o Rabbit, uma vez que a média é sempre de 50 Km/h, basta saber o quilómetro de início (quilometragem de prova), que são 62,91 Km.

A prova acaba ao Km 68,31 e o final da secção é ao Km 69,39. (ver o resultado na figura do lado direito). 

 

Rabbit 2.0

As contas dentro do carro

Na partida, recebemos a Carta de Controlo. E, a partir deste momento, temos todos os documentos que precisamos e podemos calcular as horas onde temos de estar durante a 1ª secção das 500 milhas.

A nossa hora de partida é às 7:04:00, que já conhecíamos e já estava carregada no Rabbit. Ao recebermos a Carta de Controlo ficamos a saber que temos uma ligação de 24 minutos até à PECR1. Quando alinhamos o carro para a partida, temos de colocar os contadores de metros a zero, incluindo o do Rabbit, para nos conseguirmos orientar no Road-Book. Isto é o essencial, e programar a ligação no Rabbit um acessório pouco habitual.

Convém, em todos os Ralis de Regularidade Histórica, não andar demasiado devagar nas ligações. Antes, pelo contrário, é melhor andar relativamente bem, cumprindo o Código da Estrada.

Rabbit

Podemos carregar o Rabbit para esta ligação, acrescentando os 24 minutos para chegar à PECR1. Ao completarmos esta informação no Rabbit, ficamos a saber que a média é 44,5 Km/h.

Podemos fazer isto, quando já estamos em prova. Mas, se no início tínhamos colocado a distância a zero, podemos pôr esta informação durante a ligação e carregar em “Enviar ao Nav…”. O Rabbit fica a indicar o tempo que temos de avanço ou de atraso.

Rabbit 2.0

• PECR1

Na Carta de Controlo está indicado que iniciamos esta prova 24 minutos após a partida, ou seja, começamos a PECR1 às 7:28:00 (7:04:00 + 0:24:00) 

Já sabíamos que cada sector é para percorrer em 2:10, porque a tabela da média de 50 km/h incluía esta prova. No entanto, temos de confirmar pela Carta de Controlo que a média é de 50 Km/h, porque, em caso de diferença, é válido o que está neste documento.

Como referimos no Módulo 5 sobre as PRS, temos de efetuar o que nos diz a fórmula. Se não conseguirmos efectuar o 1º Sector à Média de 50 Km/h (que neste caso é em 2minutos e 10 segundos), temos de fazer no 2º sector o mesmo tempo do 1º sector.

Como já referimos anteriormente, nas PRS, o Rabbit funciona como uma ajuda para as equipas menos experientes terem uma noção do andamento que devem ter entre os diferentes sectores. Queremos com isto dizer que o  Rabbit ou outro tipo de App que calcule médias, assim como o Blunik, não substituem numa PRS o relógio com a hora de prova e o(s) cronómetro(s).

A título de exemplo, a PECR1 poderá ser realizada seguindo os seguintes passos, com 2 cronómetros nas mãos do navegador:

  1. À hora exacta da partida, 07:28:00, o navegador dispara um dos cronómetros e o piloto arranca com a viatura procurando manter a média de 50km/h;
  2. 20 segundos antes do tempo ideal de passagem na placa do fim do 1º sector, ou seja, no 1:50 do cronómetro, o navegador informa o piloto "faltam 20 segundos para a placa". Esta informação é importante para o piloto, pois funciona como um alerta, serve para aumentar o seu nível de concentração;
  3. 10 segundos antes do tempo ideal de passagem na placa do fim do 1º sector, ou seja, no 2:00 do cronómetro, o navegador inicia uma contagem regressiva "...e faltam 10, 9, 8, 7, 6....". Nesta altura o piloto já deverá estar a visualizar a placa (deverá estar sensivelmente a 130 metros) e vai ajustar a velocidade da viatura de forma a passar no segundo ZERO "cantado" pelo navegador na placa. Esta sincronização requer algum treino e conhecimento da viatura;
  4. No momento em que a viatura passa na placa, o navegador, em simultâneo, faz STOP no cronómetro que disparou no início da PRS e START no segundo cronómetro;
  5. De seguida o navegador verifica e anota o tempo marcado no 1.º cronómetro. Este será o tempo de referência para cumprir o 2.º sector. Se marcar 2:10, ótimo, significa que a equipa acertou na média solicitada, bastando igualar este tempo com o 2.º cronómetro no final do 2.º sector, repetindo os passos 2 e 3;
  6. Mas vamos supor que marca por ex. 2:12. Neste caso o navegador terá de adaptar a sua contagem regressiva: indicará ao piloto "faltam 20 segundos" no 1:52 do cronómetro e iniciará a contagem regressiva "10, 9, 8, 7...." aos 2:02 do cronómetro.
Cronómetro

 

Nota: em alternativa aos 2 cronómetros, poderá ser utilizado um só cronómetro desde que tenha função LAP, ou ainda os clássicos cronómetros duplos analógicos, que ficam sempre bem no tablier de um clássico desportivo.


Rabbit

A hora de início já pode ser colocada no Rabbit, mas falta ainda o tempo de ligação, para termos a informação completa.

Se a PECR1 se inicia 24 minutos após a partida, a PECR2 começa 1 hora e 1 minuto depois do início da prova. Ou seja, entre a PECR1 e a PECR2 há uma diferença de 37 minutos. (1:01:00 – 0:24:00 = 0:37:00)

Se colocarmos a hora de início, “Largada”, e a “Hora Fin” (tempo de ligação até à PECR2), temos a PECR1 completa, como vemos do lado direito.


Rabbit 2.0

• PECR2

Na Carta de Controlo está a informação que esta prova se inicia 1 hora e 1 minuto após a partida, ou seja, começamos a PECR2 às 8:05:00 (7:04:00 + 1:01:00). Sabemos que o 1º sector é para cumprir à média de 50 Km/h, o 2º sector igual ao 1º mais 4 segundos e o 3º sector igual ao 1º mais 8 segundos.

Voltamos a referir que temos de efetuar a fórmula. Se não conseguirmos efectuar o 1º Sector à média de 50 Km/h (que neste caso é em 3 minutos), temos de cumprir o 2º sector em mais 4 segundos que o tempo feito no 1º sector e o 3º sector em mais 8 segundos que o tempo realizado no 1º sector. Neste caso, se tínhamos o Rabbit programado para o tempo ideal, temos de fazer a PECR sem olhar para o Rabbit.

 

Rabbit

A hora de início e os tempos ideais dos sectores já se podem colocar no Rabbit, mas falta ainda o tempo de ligação, para termos a informação completa.

Se a PECR2 se inicia 1 hora e 1 minuto após a partida, a PECR3 é 1 hora e 13 minutos depois do início da prova. Ou seja, entre a PECR2 e a PECR3 há uma diferença de 12 minutos. (1:13:00 – 1:01:00 = 0:12:00)

Se colocarmos a hora de início, “Largada” e a “Hora Fin” (tempo de ligação até à PECR3), temos a PECR2 completa, como vemos do lado direito.

 

Rabbit 2.0

• PECR3

Na Carta de Controlo está a informação que esta prova se inicia 1 hora e 13 minutos após a partida, ou seja, começamos a PECR3 às 8:17:00 (7:04:00 + 1:13:00). Esta é uma prova à figura e já tínhamos a tabela com a hora de passagem em todas as figuras. Basta iniciar o cronómetro à hora ideal e o navegador “cantar” os segundos para cada figura.

O piloto sabe que a média é de 50 Km/h, e tem de manter esta velocidade, que deve coincidir com a passagem nas figuras.

Rabbit

Mesmo sabendo que o que é correto é o navegador “cantar” a hora das figuras, podemos iniciar o Rabbit. A hora de início já temos, mas falta ainda o tempo de ligação, para termos a informação completa. Se a PECR3 se inicia 1 hora e 13 minutos após a partida, a PECR4 é 1 hora e 24 minutos depois do início da prova. Ou seja, entre a PECR3 e a PECR4 há uma diferença de 11 minutos. (1:24:00 – 1:13:00 = 0:11:00)

Se colocarmos a hora de início, “Largada”, e a “Hora Fin” (tempo de ligação até à PECR4), temos a PECR3 completa, como vemos do lado direito.

 

Rabbit 2.0

• PECR4

Na Carta de Controlo está a informação que esta prova se inicia 1 hora e 32 minutos após a partida, ou seja, começamos a PECR4 às 8:28:00 (7:04:00 + 1:24:00).

Esta é uma prova hectométrica e já tínhamos a tabela com a hora de passagem em todos os marcos hectométricos. Devemos iniciar o cronómetro à hora ideal e o navegador “cantar” os segundos para cada marco, pois já sabemos que as distâncias podem não ser coincidentes com as do Road-Book. O piloto sabe que a média são 50 Km/h, e tem de manter esta velocidade, que deve coincidir com os marcos hectométricos. Vamos programar o Rabbit, como fizemos em todas as PECR, para nos habituarmos a funcionar com esta App.

 

Rabbit 2.0

Rabbit

Mesmo sabendo que o que é correto é o navegador “cantar” a hora de cada marco, podemos iniciar o Rabbit. A hora de início já temos, mas falta ainda o tempo de ligação, para termos a informação completa.

Se a PECR4 se inicia 1 hora e 24 minutos após a partida, o CH é 1 hora e 32 minutos depois do início da prova. Ou seja, entre a PECR4 e o CH há uma diferença de 8 minutos (1:32:00 – 1:24:00 = 0:08:00). Se colocarmos a hora de início, “Largada”, e a “Hora Fin” (tempo de ligação até ao CH), temos a PECR4 completa, como vemos do lado direito.

Já tínhamos visto da leitura do Regulamento, e antes de iniciarmos a prova, que nos Controlos Horários podemos chegar por avanço, e não somos penalizados. Mas a tolerância por atraso é muito pequena, só 2 segundos. Por isso o melhor é não abrandar no final da PECR4 e chegar quanto antes ao CH e à paragem para o pequeno-almoço.

scroll up