Setúbal

Paraíso azul e verde

Setúbal é concerteza uma dádiva, uma concentração de belezas de vária ordem – o aglomerado, o castelo, a costa e as suas praias, o estuário do Sado e os golfinhos que o povoam, o porto de pesca e o pescado, o famoso moscatel…

Setúbal foi ocupado desde a pré-história, como provam os vestígios encontrados na região e que remontam ao neolítico. A presença, na região dos romanos, nos séculos I a IV D.C., fez surgir Cetóbriga, importante núcleo urbano dedicado à indústria da salga de peixe, e que se estendia pelas duas margens do Sado, incluindo Tróia.

Mais tarde, durante a ocupação árabe, as áreas habitadas foram sendo abandonadas, devido ao avanço das areias.

Tróia, do outro lado do rio, mas parte de outro concelho, conservou as ruínas de Cetóbriga, com as "cetariae" os tanques onde o peixe era salgado e conservado.

  • Onde?

    Setúbal fica na foz do Rio Sado, no centro de uma baía, bordejando a base da Serra da Arrábida, para um lado e, para o outro, a chamada Península de Tróia. Qualquer desses trechos de costa tem belíssimas praias, sendo que as do lado da Serra e Parque Natural da Arrábida são de acesso um pouco complicado, tendo obrigado a alguns condicionamentos de trânsito. Uma destas praias é a do Portiho da Arrábida, eleita como uma das 7 Maravilhas de Portugal. Ao contrário, as do outro lado, são longas, a perder de vista, praticamente até ao Cabo de Sines, interrompidas aqui e ali por ribeiros e lagoas.
    A cordilheira da Arrábida, completamente inserida no Parque Natural da Srra da Arrábida é, no dizer dos especialistas “um dos espaços naturais de influência mediterrânica mais belos e significativos”. As montanhas, os vales, os picos, constituem uma das mais belas paisagens, completadas pela vegetação particular e exuberante, de cariz mediterrânico, claro.
    De há alguns anos, a Baía de Setúbal, faz parte do Club das Mais Lindas Baías do Mundo, tal como a Baía do Mont St Michel, em França, e mais umas quantas pelo Mundo fora, incluindo a Baía da Horta, na Ilha do Faial.

    Setúbal - a baía e os golfinhos                Setúbal - As Mais Belas Baías do Mundo

    Para completar o quadro, aparecem os simpáticos golfinhos, lindos, na sua deslocação aos saltos, como que a chamarem a atenção para a sua beleza – eles constituem uma das três únicas comunidades daqueles mamíferos residente no espaço marítimo europeu.

     

  • O quê?

    As invasões e a ocupação árabe, conjuntamente com a já referida invasão das areias, fez com que os locais escolhidos, preferencialmente, pelos invasores muçulmanos fossem zonas altas, como PPalmela, portos abrigados, como Alcácer do Sal e vales férteis, como Azeitão.
    Setúbal, concelho relativamente pequeno, teve de lutar para se impor aos limítrofes, como os já referidos e Santiago do Cacém, constituídos após a reconquista aos mouros. Com a proteção da Ordem de Santiago, recentemente estabelecida, Setúbal foi sendo repovoado a partir da colina de Stª Maria e avançando até à zona baixa, até ao que é hoje chamado o bairro do Troino. Em 1249, Setúbal recebeu, do mestre da Ordem de Santiago a primeira Carta de Foral. Tendo passado por um largo período de dificuldades, a vila desenvolveu bastante a sua actividade económica, baseada na indústria, comércio e também pelos direitos, elevados, que cobrava pela utilização do porto.
    Os Descobrimentos trouxeram, claro, grande desenvolvimento tendo, D. João III atribuído à vila o título de “notável villa”. Maids tarde, o rei D. Filiipe II mandou construir o Forte de S. Filipe, nas proximidades.

    Setúbal - o Castelo de S. Filipe 

  • Património a descobrir

    - Convento e Igreja de Jesus, M.N. – O Convento e a Igreja de Jesus são verdadeiros marcos da História da arequitetura portuguesa, também pelo facto de que assinalam o início d o estilo manuelino. Curiosamente, o projecto foi iniciado por empenho da ama do Rei D. Manuel I, Justa Rodrigues Pereira que, junto da corte e do Vaticano, solicitou a construção de um convento nos terrenos então conhecidos como sapal do Troino. A contrução foi iniciada em 1490, tendo a igreja uma configuração original, na época, sendo o primeiro exemplar – a igreja salão, como um espaço unitário e homogeneamente iluminada. Também na zona do convento, existem inivações, elementos arquitetónicos poucos utilizados – arcos de volta perfeita, abóbadas assentes sobre arcos abatidos e redes de nervuras.
    Em 1888 o Convento é convertido em Hospital da Misericórdia, por força da extinção das ordens religiosas. Em 1961 passou a funcionar neste espaço o Museu de Setúbal, guardando os principais tesouros artísticos da cidade.
    - Museu de Setúbal – fica instalado no Convento de Jesus, onde foi instalado no ano de 1961. Alberga todos os tesouros artísticos da cidade, entre os quais 14 painéis do Retábulo da Igreja de Jesus, conhecideos por “Primitivos de Setúbal” e considerados por especialistas como um dos conjuntos mais representativos do período renascentista português.
    Setúbal - Tríptico

    - Castelo ou Forte de S. Filipe – a Fortaleza foi construída pelo Rei D. Filipe II, em 1582, após uma visita que fez a Setúbal.
    O castelo desempenhou papel importante como parte da linha de defesa da costa portuguesa, muito atacada por piratas do norte da Europa e de África. Há, no entanto, quem avente a hipótese de que ele tenha sido construído para garantir a presença de uma guarnição fiel à dinastia filipina que exerceria a controlo da população setubalense que havia já demonstrada oposição à dominação espanhola.
    De fato, o castelo de Setúbal foi o último reduto dos espanhóis, aquando da restauração da independência, em 1640. Sofreu várias modificações, ao longo dos tempos e hoje, alberga uma Pousada de Portugal, possuindo ainda uma capela barroca, revestida a zulejos de 1736, retratando a vida de S. Filipe.
    A paisagem que se vislumbra das muralhas e da pousada é deslumbrante

    Setúbal - Forte/Castelo de S. Filipe

    - Paços do Concelho - este edifício foi construído no séc. XVI, na então Praça do Sapel, hoje Praça do Bocage. Lá funcionaram organismos da administração, como o paço do trigo, a cadeia e outros. Esta construção inicial, no reinado de D. João III, sofreu várias intervenções, ao longo dos tempos, mormente depois do terramoto de 1755. Em 1875, o edifício dos Paços do Concelho foram ampliados, tendo passado a albergar o Tribuinal e a Repartição da Fazenda, bem como a Câmara Municipal.
    Um incêndio, em Outubro de 1910, destruiu todo o edifício, tendo restado só a fachada. Só em 1938 foi concluída a reconstrução.

    Setúbal - Paços do Concelho

    - Igreja de Stª Maria da Graça – foi construída no séc. XIII, no estilo romano-gótico, tendo sido reconstruída no séc.XVI. A fachada é imponente, ladeada por duas torres. No interior são de destacar as colunas toscanas, com frescos de finais do séc. XVIII, os altares laterais, a talha dourada da capela-mor e os azulejos também do séc. XVIII.

    Setúbal-Igr. de Stª Maria da Graça

    - Igreja de S. Julião – foi construída no séc. XIII, muito modificada nos sécs. XVI e XVIII. Mantém dois portais manuelinos e, no interior, um silhar de azulejos que narram a história de S. Julião.

    Setúbal - Igreja de S. Julião

    - Casa das Quatro Cabeças - é um edifício de três pisos, que apresenta, no exterior, quatro pequenas cabeças esculpidas e que estão associadas ao episódio do atentado, fracassado, contra D. João II. Pensa-se que uma representa o rei e as outras os conspiradores. Para além das esculturas, a casa tem ainda inscrições, em latim, que diz “Se Deus está connosco, quem poderá estar contra nós” uma, sobre a ombreira da porta e outra, à volta de uma das cabeças – “espero em Deus”

    Setúbal - Casa das Quatro Cabeças

    - Casa do Corpo Santo – a sua construção data do séc. XV. Albergou, em tempos idos, uma confraria de navegantes, armadores e pescadores de Setúbal. A sala do vestíbulo apresenta, no teto, um fresco sobre a antiga vida comercial setubalense e, ao mesmo tempo, serve de entrada para a Capela do Corpo Santo, completamente forrada a talha dourada. Na sala do despacho, podem apreciar-se os painéis de azulejos azuis e brancos, com cenas de vida da aristocracia, como caçadas e cenas da vida do povo, no seu trabalho. Neste sala está também um cofre, o cofre do Sepulcro, datado do séc. XVIII. Nas outras salas existe uma exposição de “Instrumentos de Ciência Náutica” de várias épocas, como compassos, faróis de posição, óculos náuticos e um radiogoniómetro portátil e textos e legendas explicativas desses mesmos instrumentos.


    Setúbal - Casa do Corpo Santo

    - Forte de Santiago do Outão – foi mandado construir por D. João I; D. Sebastião acrescentou a cerca e D. João IV mandou construir a fortaleza, tal como ela se vê hoje, quer da parte do mar quer da de terra.

    Setúbal-Forte de Santiago do Outão

    - Convento da Arrábida – foi construído no séc. XVI e é constituído por duas partes distintas, o Convento Velho, que fica na parte mais elevada da serra e o Convento Novo, a meia encosta e que engloba o Jardim e o Santuário do Bom Jesus. O convento fica em pleno Parque Natural da Arrábida, foi fundado em 1542, por um frade franciscano – sabe-se que, antes da construção de qualquer edifício, já aqui viviam frades. Eles escavaram celas nas rochas e assim subsistiram durante dois anos.
    Foram sendo efetuadas obras, ao longo dos tempos, nomeadamente uma cerca envolvente, uma hospedaria, duas capelas e, em 1650 o Santuário do Bom Jesus.
    Todo o conjunto foi alvo de pilhagens, após a extinção das ordens religiosas, em 1834 e, como consequência, entrou em degradação. Foi posteriormente adquirido pela Casa de Palmela, em 1863, que procedeu a obras de recuperação, nas décadas de 40 e 50 do séc. XX.

    Setúbal - Convento da Arrábida             Setúbal - Convento da Arrábida

    - Monumento a Luisa Todi – com um b usto em mármore da autoria de Leopoldo de Almeida, um dos autores do Monumento aos Descobrimentos inaugurado na Exposição do Mundo Português, em 1940. Luisa Todi foi uma cantora lírica que nasceu em Setúbal, a 9 de Janeiro de 1753 e que atuou e foi aplaudida nas principais cortes.

    Setúbal - Monumento a Luisa Todi

    - Cruzeiro de Setúbal – fica junto ao Convento de Jesus

    Setúbal-Cruzeiro de Setúbal

    - Pelourinho de Setúbal

    Setúbal - Pelourinho de Setúbal

    - Muralhas de Setúbal
     

    Setúbal - Muralhas de Setúbal

    - Portal da Gafaria - também conhecida por Gafaria da Horta do Rio, a Gafaria de Setúbal foi construída no séc. XV, tendi sido construída antes do portal tardo-gótico, elemento mais notório. Ficava fora das muralhas, numa zona de hortas e baldios. Entre os séc. XV e XVI sofreu obras, custeadas pela família nobre cujo escudo figura no portal, embora pouco nítido. De notar que, na altura, muitas gafarias foram construídas no país, devido a um surto de peste que o assolou entre 1479/80.

    Setúbal - Portal da Gafaria              Setúbal -  Portal da Gararia, pormenor

    - Chafariz da Praça Teófilo Braga

    Setúbal - Chafariz da Pç Teófilo Braga

    - Quinta do Esteval 

    Setúbal - Quinta do Esteval

    - Palácio da Família Feu Guião ou do Adeantado
    – data do séc. XVIII, de traça pombalina. Tem, sobre a porta principal o brasão da família Feu Guião e, ainda na fachada, três gárgulas. Neste momento está em adiantada fase de degradação. A designação de “Adeantado” deve-se ao fato de o desembargador José da Rosa, exercer as funções de adiantado do reino, quando mandou erigir o edifício

    Setúbal - Palácio dos Feu Guião                 Setúbal - Palácio dos Feu Guião, brasão

    - Fábrica Romana de Salga, na Travessa Frei Gaspar, 10

    Setúbal - Fábrica Romana de Salga

    - Moinho de Maré da Mouriscada, na zona de Mitrena, construído no séc. XVII e remodelado em 1995 para ser parte do património e, ao mesmo tempo ser utilizado para a realização de várias atividades de índole cultural, de animação ambiental e de turismo Da natureza.

    Setúbal - Moinho da Mouriscada

    - Ruínas Romanas do Creiro – ficam na Serra da Arrábida, junto à Praia do Creiro e faziam parte do complexo industrial, romano, de salga de peixe de Cetóbriga, centrado em Setúbal e Tróia, mas com outras pequenas unidades, como esta. É composto por um conjunto de cetáriae e um balneário.

    Setúbal - Ruínas Romanas do Creiro

    - Calçada romana do Viso – fica nas imediações de Setúbal, na localidade de Grelhal. Existe visível um troço com cerca de 300 m, que atesta a importância da região de Setúbal, no tempo dos romanos, pela atividade industrial da salga de peixe e o respetivo escoamento.

    Setúbal - Calçada Romana do Viso

    - Manuel Maria Barbosa du Bocage – poeta, repentista, viveu entre 1765 e 1805, descrevia-se assim:

    Magro, de olhos azuis, carão moreno,
    Bem servido de pés, meão de altura,
    Triste de facha, o mesmo de figura,
    Nariz alto no meio, e não pequeno; (...)

    Nasceu em Setúbal e, desde muito cedo teve uma vida atribulada, que iniciou com o ingresso na Marinha Real aos 15 anos, tendo assentado praça aos 14. A partir dessa altura os seus anos foram empregues no estudo e na boémia dos locais por onde passava. Na sua época Portugal não estava b em, economicamente, porque o ouro do Brasil começava a escassear, o dinheiro que havia era gasto com a Corte, a marinha e o exército e o povo passava fome… Na mesma altura, em França o Rei Luis XIV e a Rainha, Maria Antonieta, eram mortos na guilhotina – tinha-se dado a Revolução Francesa, em 1789… Em Lisboa, como no restante país, os cafés eram o local escolhido para as discussões políticas e as posições de força contra o Governo que impôs um regime totalitário, por ação do Intendente Pina Manique, que tomou as rédeas do poder porque a rainha D. Maria I tinha enlouquecido.
    Em 1790, Bocage regressou a Portugal, depois de agitada viagem pelo Oriente e, a partir daí e durante 10 anos, teve uma vida boémia, em Lisboa. Praticamente todas as noites estava presente, entre outros, no Café Nicola, onde se manifestava e tecia críticas ao despotismo de Pina Manique, sobre os vários problemas do país. No fundo, para além das personalidades do regime, criticava tudo e todos, clero incluído. Nessa altura, Bocage passou a apelidar-se de Elmano Sadino, anagrama que adotou quando aderiu à Nova Arcádia, academia de oratória e poesia, onde foi protegido, durante um período, por Filinto Elísio e a Marquesa de Alorna.
    Claro que foi preso, em 1790, por “desbragamento de costumes e livre pensamento” e foi condenado, pela Inquisição, a receber doutrina pelos oratorianos, no convento de S. Bento. Terminada a pena, era outro, passou a trabalhar para se sustentar, a si e a uma irmã.

    Setúbal - Poeta Bocage

    - Luisa Todi – nasceu em Setúbal, a 9 de Janeiro de 1753 e, muito pequena ainda, foi viver para Lisboa. Estreou-se, em 1767, como atriz, recitando, com a irmã, as falas das personagens do “Tartufo” de Molière. No mesmo teatro, conhece o violinista italiano Francesco Saverino Todi, com quem casou, aos 16 anos. No ano seguinte, estreou-se como cantora de ópera e, os seus dotes foram amplamente reconhecidos, de tal maneira que, um ano depois estava a cantar em Londres e, após um período que cantou e viveu no Porto, correu praticamente todas as capitais europeias – Londres, Paris, Berlin, Turim, Varsóvia, Veneza, Viena, S. Petersburgo – e conviveu, entre outras cabeças coroadas, com Frederico II da Prússia e Catarina II da Rússia. Voltou a Portugal, já com 40 anos, para cantar nas festas da primogénita do príncipe regente, depois D. João VI, sendo que foi um espetáculo de exceção, porque D. Maria tinha proibido as mulheres de atuarem em público, e como tal, não teve a presença da família real e não foi muito celebrado.
    Luisa Todi voltou ao Porto em 1803, já viúva, tendo sido obrigada a fugir por causa das invasões francesas. Na fuga perdeu muitos dos seus bens e jóias. Posteriormente, regressou a Lisboa, depois de ter perdido algunsdos filhos. Faleceu aos 80 anos, em 1813, já cega, devido a doença que tinha desde nova.

    Setúbal - Luisa Todi

    Azeitão
    - Igreja de S. Lourenço
    - Fonte dos Pasmados

    Setúbal - Fonte dos Pasmados em Azeitão

    - Quinta das Torres

    Setúbal - Quita das Torres em Azeitão

    - Capela de Nª Srª del Carmen
    - Quinta da Bacalhôa
    – foi construída em 1427, por D. João, um dos filhos de D. João I, que foi também mestre da Ordem de Santiago e Condestável do Reino. Desta época, em particular, não restam muitos vestígios. Foi a filha do fundador, D. Brites, que procedeu a obras e lhe deu uma decoração moderna, para a época, como a cerca torreada e os revestimentos de azulejos quatrocentistas.
    A casa foi vendida, em 1528 a Brás de Albuquerque, filho de Afonso de Albuquerque, que foi responsável pelas alterações que hoje se vêm na casa e que, de acordo com uma inscrição existente, foram realizadas entre 1528 e 1554.

    Setúbal - Quinta da Bacalhôa, em Azeitão

  • Gastronomia

    A Gastronomia de Setúbal assenta, como não pode deixar de ser, no peixe – caldeirada, sardinha assada, as ostras, o bacalhau, nas suas 1001 receitas, as enguias fritas ou ensopado e, sobretudo, o choco frito. O cozido, as carnes grelhadas, o borrego assado com moscatel, também fazem parte do cardápio, claro. Os queijos de Azeitão são muito apreciados, amanteigados…

    Setúbal - os queijos de Azeitão                 Setúbal - Choco Frito

    O doce de laranja é também muito característico e apreciado, tal como as tortas de azeitão e os “S” e, para acompanhar, o moscatel de Setúbal…

    Setúbal - Doce de Laranja                   Setúbal - Tortas de Azeitão         

    O Moscatel de Setúbal é o mais famoso da Região Vitivinícola da Península de Setúbal e uma das preciosidades produzidas em Portugal. Como os outros vinhos deste tipo, o moscatel de Setúbal é produzido desde tempos imemoriais, sendo certo que os Fenícios e os Gregos deram grande impulso à divulgação deste vinho generoso. No reinado de D. Dinis (1261-1325) o moscatel de Setúbal era já famoso e, em 1381 era já exportado para Inglaterra, sendo referido pelo rei D. Ricardo II. D. Manuel I faz alusão às vinhas de Setúbal, num foral de 1514 e, em 1635, é referida a exportação de 350 barricas do Moscatel de Setúbal. Luis XIV, o Rei Sol (1638-1715) não dispensava este néctar e, em 1797 o vinho é também referido como parte da ementa de um banquete dos cavaleiros de Malta… Em 1855, o Moscatel de Setúbal produzido por José Maria da Fonseca ganhou uma medalha de ouro, na Exposição Universal de Paris…

    Setúbal - Moscatel

    Hoje, talvez com mais produtores que nessa altura, ele continua a ser produzido, exportado e apreciado…
    Para além deste Moscatel, a região de Setúbal produz muitos e bons vinhos brancos e tintos, a dificuldade está na escolha…

     

  • Feiras, Festas e Romarias

    - Festa de S. Luís da Serra – naquela localidade, no domingo de pascoela (a seguir ao de Páscoa)
    - Festa do Senhor do Bonfim – 1º fim de semana de Maio – em Setúbal – procissão com as imagens do Sr. do Bonfim, Nª Srª da Arrábida e Nª Srª do Rosário de Tróia e bênção das embarcações de pesca.
    - Festa de Nª Srª da Arrábida - início der Julho – Setúbal (Troino)
    - Festas da Arrábida e de Azeitão – final de Junho/início de Julho – Vila Nogueira de Azeitão
    - Festa de Sant’Iago - final de Julho /início de Agosto – Setúbal (Parque Sant’Iago) – é uma grande feira, que se realiza há mais de 430 anos
    - Festa de Nª Srª do Rosário de Tróia – início de Agosto – Setúbal e Tróia
    - Festas do Moinho de Maré da Mouriscada – último fim de semana de Agosto – junto ao Moinho (Faralhão)
    - Festa do Teatro – fim de Agosto início Setembro – Setúbal
    - Festas de Nº Srª da Saúde – 1ª semana de Setembro – Vila Fresca de Azeitão – realizam-se há cerca de 300 anos 

  • Acessos e Distâncias
    LISBOA   49km PORTO  346 km
    Aveiro  291 km Guarda  347 km
    Beja  142 km Leiria  178 km
    Braga  394 km Portalegre  189 km
    Bragança  514 km Santarém  115 km
    Castelo Branco  251 km Setúbal     0 km
    Coimbra  236 km Viana do Castelo  415 km
    Évora   98 km Vila Real  427 km
    Faro  242 km  Viseu  321 km
  • Itinerários Possíveis

    Itinerário 1
    Setúbal (A) – Praias do Sado (B) – Faralhão, com Moinho da Mouriscada (C) – Cotovia (D) – Setúbal (E)

    Visita de Setúbal e de parte do seu património. Visita também de parte do Porto de Setúbal, Praias do Sado, o Moinho de Maré da Mouriscada, Cotovia e volta a Setúbal

    Total de km – 23 km
    Tempo de percurso –35 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Setúbal - Itinerário 1

    Itinerário 2
    Setúbal (A) – Vila Fresca de Azeitão (B) – Vila Nogueira de Azeitão (C) – Aldeia de Irmãos (D) – Casais da Serra (E) – Convento da Arrábida (F) – Outão (G) – Setúbal (H)

    Visita de Azeitão, Vila Fresca e Vila Nogueira, a Aldeia de Irmãos e, sobretudo, em plena Serra da Arrábida, o Convento da Arrábida e as belezas naturais da fauna e flora do Parque Natural da Arrábida.

    Total de km – 46 km
    Tempo de percurso – 51 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Setúbal - Itinerário 2

    Itinerário 3 – só visita da cidade de Setúbal e do seu património
    Visita a pé, sem possibilidade de calcular o tempo… aproveitar a beira mar, os jardins e as iguarias que lá se podem apreciar…

    Itinerário - visita do património 

  • Parceiros ACP

    PARCEIROS ACP
    Abaixo estão os links para todos os parceiros existentes no Distrito de Setúbal, a que o Concelho de Setúbal pertence, e que oferecem descontos aos sócios, mediante a apresentação do cartão de sócio.

    Hotéis
     - Solares
    - Turismo Rural
    Restaurantes 

scroll up